Quarta, 20 de junho de 2018
51985292179
Giro Metropolitano-rs

08/06/2018 ás 16h49

Moises Pacheco

Gravataí / RS

Porto Alegre-rs | Taxi permanece com a cor vermelha
Marchezan sancionou hoje a nova Lei Geral dos Táxis
Porto Alegre-rs | Taxi permanece com a cor vermelha

O prefeito Nelson Marchezan Júnior sancionou, no início da tarde desta sexta-feira, a sanção da Lei Geral dos Táxis, com vetos a 11 emendas. Entre os vetos, a cor dos veículos que permanecerá vermelho ibérico, a ampliação do rol de crimes impeditivos, a manutenção da permissão e não substituição por autorização e a continuidade da proibição de que táxis utilizem faixas exclusivas de ônibus e estacionem em qualquer lugar para atendimento às pessoas com deficiências (PCDs). A lei sancionada será publicada em edição extra do Diário Oficial de Porto Alegre (Dopa) no final desta tarde.


“Estamos trabalhando com o conceito de que a nova Lei Geral do Táxi que estamos sancionando deverá elevar o serviço público de transporte individual em referência mundial. Nosso foco é na segurança dos usuários e na tecnologia para qualificar o atendimento”, observa o prefeito. Para Marchezan, este é um dos projetos importantes para melhorar a vida dos habitantes, uma vez que qualifica o serviço prestado pelo táxi. “Os táxis de Porto Alegre serão pioneiros com uma lei que inova nos exames toxicológicos e na biometria para liberar o taxímetro a cada corrida, bem como o pagamento por cartões de débito e crédito”, lembrou.


A proposta ainda altera a legislação em vigor e também redefine as condições para emissão da Identidade do Condutor de Transporte Público (ICTP - carteirão) e cria a Categoria Executiva. Propõe, ainda, normas de comportamento para motoristas. Também está facultado o uso de câmeras no interior dos táxis, que transmitirão as imagens em tempo real.


Com a sanção, a parte não vetada passa a ser Lei em Porto Alegre com a vigência imediata. Já em relação aos vetos, o chefe do Executivo tem 48h para encaminhá-los à Câmara de Vereadores que deverá apreciá-los.


Emendas vetadas


Emenda 21 (Artigo da Lei 2º) - Altera a natureza do serviço (utilidade pública); altera a forma de delegação (autorização); retira três crimes impeditivos; permite a transferência para herdeiros e para terceiros; limita o número de prefixos em Porto Alegre, prevê exclusividade na distribuição das permissões cassadas; retira a limitação de um prefixo por delegatório, e retira a escolaridade mínima (ensino fundamental).


Emenda 19 (Artigo da Lei 23, XV) - Permite ao táxi estacionar em qualquer lugar para atendimento às PCDs.


Emenda 16 (Artigo da Lei 27, §§ 1º, 2º, 7º E 8º) - Altera a cor dos táxis para branco.


Emenda 18 (Artigo da Lei 31, § 3º) – Substitui a expressão “permissão” por “autorização”.


Emenda 23 (Artigo da Lei 34, § 3º) – Permite ao táxi utilizar as faixas exclusivas de ônibus em caso de emergência em qualquer horário.


Emenda 23 (Artigo da Lei 58, § 21) – Permite ao táxi utilizar as faixas exclusivas de ônibus em caso de emergência em qualquer horário.


Emenda 18 (Artigo da Lei 65, § 1º) – Substitui a expressão “permissão” por “autorização”.


 


Emenda 21 (Artigo da Lei sem correspondência – Trata dos efeitos de mudança para autorização) - Impõe ao Executivo efetuar as adequações necessárias para o novo modelo. Fixa prazo de 120 dias para os atuais permissionários receberem as novas autorizações. Impõe ao Executivo acatar os pedidos de transferência da janela (2014) – ignorando a decisão do TJRS.


Emenda 16 (sem correspondência) – Cor branca.


Emenda 18 (Artigo da Lei 23) – Substitui a expressão “permissão” por “autorização”.


Emenda 18 (Artigo da Lei 25) – Substitui a expressão “permissão” por “autorização”.


Justificativa dos Vetos


Cor dos táxis – A decisão da permanência do vermelho ibérico deve-se a uma série de fatores entre eles por ser a cor um patrimônio imaterial e símbolo da cidade, além da confusão que possa gerar, uma vez que o branco (Emenda) é a cor dos veículos mais vendidos no país (40%).


Permissionário por autorizatário - altera a natureza do serviço ao deixar de reconhecê-lo como serviço público, passando a tratá-lo como de utilidade pública. Isso implicaria na completa abertura do Modal Táxi. Entre as consequências diretas e negativas da alteração da natureza de delegação estão o aumento ilimitado do número de táxis, resultando na inviabilidade econômica da atividade, o nivelamento por baixo do serviço, além da inviabilidade de implantação de novos serviços e padrão de atendimento como o efetuado na licitação do Táxi Acessível, bem como a implantação de inovações e de exigências de qualificação. Por outro lado, a autorização não assegura aos taxistas a possibilidade de transferência das delegações.


Redução do rol de crimes – Emenda da Câmara de Vereadores havia reduzido a ampliação dos crimes impeditivos para a função de taxista, mencionados nas certidões negativas de antecedentes dos pretendentes à delegação do Poder Público, proposta pelo Executivo, tais como as lesões corporais, a comercialização de armas de fogo e a violência contra a mulher. É inconcebível que alguém que tenha cometido lesões corporais possa atuar como taxista e atuar profissionalmente no trânsito sabidamente estressante, ou no trato pessoal com passageiros, ou levando consigo uma mulher sozinha.


Validade das delegações de prefixo por até 75 anos – É exagerada e não possui justificativa plausível, além de não possuir nenhuma correspondência no direito administrativo pário (considerado não contencioso, ou seja, não existe a previsão legal de Tribunais e Juízes Administrativos ligados ao Poder Judiciário, em face do Princípio da Jurisdição Única, onde a Constituição Federal/88 concede a este Poder a atribuição típica de julgar os litígios).


Possibilidade de que o taxista estacione em qualquer lugar das vias públicas - Contraria o Código de Trânsito Brasileiro. Não é possível criar exceções às leis de trânsito especificamente para os taxistas, uma vez que a existência de locais em que o estacionamento ou parada proibidos decorre de avaliações técnicas e porque a organização do trânsito na Capital assim exige.


Possibilidade de que os táxis da Capital utilizem as faixas exclusivas para ônibus - Traria grave ameaça à segurança e à mobilidade do trânsito. A Constituição da República Federativa do Brasil define a competência privativa da União em legislar sobre trânsito.


 

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários

0 comentários

Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados
Site desenvolvido pela Lenium